Vereador Raério sugere que secretária da saúde visite as UBS

por Sérgio Oliveira publicado 09/07/2019 15h20, última modificação 09/07/2019 15h24
O vereador também destacou o Dia do Panificador e sua importância
Vereador Raério sugere que secretária da saúde visite as UBS

Vereador Raério reivindica melhores condições na saúde do município. FOTO: Edilberto Barros

Consciente da necessidade de melhor aparelhamento das Unidades Básicas de Saúde para um atendimento adequado a população, o vereador Raério Emídio, “Cabeção” do PRB, apresentou uma sugestão durante a sessão ordinária da terça-feira, 09, na Câmara Municipal de Mossoró. Na avaliação do edil, seria importante que a secretária municipal de saúde fosse visitar as UBS.

A tese do vereador é de que, visitando as unidades, a secretária terá a oportunidade de verificar as deficiências. “Nas UBS falta de tudo, principalmente o medicamento. Para complicar mais ainda o quadro, hoje dispõe apenas de um médico para atendimento na unidade do Abolição IV”, exemplifica. Outro registro feito diz respeito ao aparelho de ultrassonografia que o município não dispõe e a médica quando atende, leva seu próprio equipamento.

Raério lamentou que os idosos do Abolição e bairros adjacentes não recebam mais a visita dos agentes comunitários de saúde. Ele define como falta de respeito aos idosos que já deram sua contribuição para a sociedade ao longo de suas vidas. “Outro problema sério é o Raio-X do Pan que quebrou mais uma vez. Resta perguntar o que acontece com esse aparelho que quebra com frequência”, acrescentou. Ainda sobre o Pan do Bom Jardim, o profissional oftalmologista não realiza seu trabalho, porque o aparelho apresenta defeito.

Panificador

Raério Cabeção também registrou o Dia do Panificador e lembrou a importância do seguimento para a economia da cidade na geração de emprego e renda. Por sugestão do vereador, a Câmara Municipal irá discutir e votar a criação da Medalha Raimundo de Melo. Entende ele que essa é uma forma de homenagear os panificadores que as vezes até sofrem perseguição, disse ele, de órgãos públicos como Ibama e Idema.